quinta-feira, 23 de julho de 2009

De passagem‏



Os momentos são tão efêmeros...
Se não prestar atenção perde-se o trem.
Enquanto os curtas-metragens diários passam
focalizemos cada propósito.
Existirá desocupação para se fazer uso.
A bagagem está pesada ou leve? É bom que esteja pesada...
Nesta jornada precisaremos carregar muita ferramenta.
Talvez no meio da viagem não tenha ninguém
para emprestar o que se necessita.
Nesta estação passaremos só algumas horas, talvez até alguns dias.
Daqui até nosso destino, o trem irá parar algumas vezes.
E os velhos passageiros? Ah... Esses irão desembarcar
e outros assumirão seus acentos.
Hoje é um dia muito importante. Hoje estamos vivos.
Esse fato nos dá motivo para cuidar-mos de nós mesmos.
As malas dos outros passageiros não interessam.
Agora vamos dar um tempo e checar as nossas malas.
Não poderá faltar nada.
Se estiver tudo pronto embarcaremos em algumas horas,
pelo contrário alguém terá que voltar e achar o que faltou.
Não temos todo o tempo do mundo para ficar aqui,
então tchau. Preciso verificar se esqueci algo.
Se Deus quiser nos encontraremos no próximo embarque.
Sejamos cautelosos e precisos!
 
 
 
 


Publicado no Recanto das Letras em 23/07/2009
Código do texto: T1715885
Anderson Cavalcanti
cavalcantianderson@hotmail.com

3 comentários:

Gleison disse...

Eu não acredito que esse poema é seu[!].
Mentira acredito sim!
Muito bom cara, quando o lêu na sala
não imaginava que fosse de sua autoria, mas vejo que anda produzindo grandes coisas...
Parabens cara! Excelente blog. Continue assim, seus poemas são de altíssimo nivel.

Marcus disse...

é tem vez que queremos cuidar das malas dos outros e deixamos a nossa!

Euzer Lopes disse...

Genial.
Descreveu o que é a vida até nos momentos mais emblemáticos.
Precisar de alguém, precisar de ajuda, oferecer ajuda, dispor de alguém.
Os momentos que vivemos todos os nossos dias.